db95 Anthony Rother

30/03/2011

No final dos anos 90, a música eletrônica foi marcada por um forte movimento de novos talentos provenientes da Alemanha. Entre os principais nomes desta safra, se destaca Anthony Rother, famoso produtor, pioneiro na mistura simbiótica que brinca com o electro e o techno e que posteriormente foi batizado por “moderntronic”. Rother estabeleceu seu selo “Plattform”, que ganhou relevância com o projeto pop-electro virtual Little Computer People (2001).

Em 2004, Anthony ressurge com uma nova orientação sonora nos álbuns Popkiller, seu maior sucesso, e Supersonic Space Model (2006), uma verdadeira obra prima. Em 2010, com o seu volume 2 da saga Popkiller, o DJ e produtor arrecada o segundo lugar da lista “Melhor Album do Ano 2010” pela revista alemã Raveline. O alemão é também conhecido por seus trabalhos de co-produção e remixes, em parceria com nomes de peso como Sven Väth e Karl Bartos, o ex-Kraftwerk. Acompanhe a entrevista exclusiva para o deepbeep.

***

Você já se apresentou várias vezes no Brasil. Você se lembra quando foi sua primeira performance aqui? Qual foi sua primeira impressão sobre o Brasil?

Minha primeira experiência foi num festival grande em São Paulo, eu acho que em 2005. Eu não me lembro do nome do festival, mas era um nome de cerveja. Minha primeira impressão foi o “amor”.  E isso não mudou. Quando eu venho ao Brasil eu sinto como se fosse minha segunda casa.

Você tem o seu próprio selo, o Datapunk, que representa nomes como M.in, Terence Fixmer, DJ Hell, Oliver Hunterman entre outros. Além disso, você também lança suas produções através de outros selos como o Kanzleramt e, recentemente, pelo Brazilian Clash Music.  Como você gerencia todas essas atividades e quão grande é a influência dos seus negócios na sua carreira?

Em primeiro lugar, eu nunca faço projetos só por dinheiro. Tudo o que eu fiz em minha carreira até agora foi porque eu senti uma inclinação para fazer a tal coisa. A base de tudo e construída a partir da minha música e do meu trabalho criativo que eu coloco em minha arte e nos conceitos do meu selo.  Eu aprendi muito ao longo dos anos.
A indústria musical e tão “fucked up” em alguns aspectos, mas pelo menos, quando faço minhas apresentações, vejo todos curtindo!

Você alcançou uma linguagem própria na música eletrônica. Amadurecer musicalmente também significa se apartar das tendências?

O que estou fazendo não é um conceito. O que estou fazendo está vindo de dentro de mim. Então estou certo que é o que eu deveria  fazer mesmo. :-) Na vida podemos escolher. Eu escolho ouvir minha voz interior o quanto for possível, todos os dias.

Em 2006 você disse que o ideal para você era mesclar equipamento analógico e digital na produção musical. Como você vê isso em 2011?

Ainda é a mesma coisa para mim. Eu realmente gosto de usar sintetizadores analógicos, os botões de ajustes, mas por outro lado, uso todos os equipamentos digitais e softwares que eu tenho. Acho que no final o que importa é o resultado e cada artista tem sua própria maneira de chegar ao resultado desejado.

Em sua opinião, o que de mais interessante está rolando agora?

Tem muita coisa acontecendo, uma delas é que ficou muito fácil lançar um vídeo na Internet. Isso traz outra dimensão para a música.

Quais são seus projetos atuais e planos para o futuro?
No momento estou trabalhando no meu próximo álbum para o Datapunk que deve ser lançado esse ano.

Agradecimentos: Awet Cahsai, Denis Hadler e Marco Andreól.
Fotos: Audioviva

comente

  1. avatar

    Andre Amorim Amorim disse em 12 de junho de 2011

    muito bom mesmo um set pra ouvir varias vezes

  2. avatar

    Leandro F disse em 9 de abril de 2011

    Fala galera, recentemente Anthony Rother se apresentou em Cuiabá, e fizemos o review em vídeo da festa que foi memorável.

    Para quem quiser ver o review somente da apresentação do Rother, confira os melhores momentos do seu Live em um vídeo de 23 minutos aqui: http://www.youtube.com/watch?v=edPGpHu0jSc&fe

    A festa contou ainda com Technasia, Renato Cohen, China e Djs Locais que não deixam nada a desejar, se quiserem ver o review completo, podem acessar http://tec-life.blogspot.com/2011/03/video-review

    valew… abraços.

avatar

db95 Anthony Rother
ouça na radio

tracklist

Tracklist não disponível.

acompanhe