db9 Edu Corelli & Luis Depeche

17/06/2009

Envolvidos no universo musical há mais de 20 anos, Edu Corelli e Luis Depeche deixaram suas marcas na cultura da noite paulistana. Corelli, seja tocando acid house nos anos 80, seja encarnando a primeira DJ-drag do país (Selma Self-Service, no clube Sra. Krawitz, em São Paulo, meados dos 90), seja como produtor musical de Edson Cordeiro ou hoje como DJ de casas e festas alternativas. Depeche, conhecido por ser uma “enciclopédia musical”, se envolveu com a cena eletrônica quando integrou a equipe da Stilleto Records, na virada dos 80 para os 90, – atualmente trabalha no selo Fiber Records e é editor do site FiberOnline, além de discotecar em festas como a Hotzilla, a FiberOnLive e Debut.

Há quase uma década os dois amigos dividem ideias musicais: mantêm o projeto de eletrônica Suntrax, além de produzirem trilhas para desfiles de moda. Ellus, Ocimar Versolato, Amapô, New Balance, Canal, Simone Nunes e Fábia Bercsek são algumas das grifes que já receberam as boas melodias da dupla. Ao ouvir o set, atente para as interferências com samples de clássicos da house durante o tema de Blade Runner, de Vangelis, seguido de um mix do Suntrax com Toto.

Falem sobre o set. Como o compuseram, quais as inspirações, por que escolheram estas faixas?
Luis – Esse set mistura humores diferentes, mas na maior parte é pontuado por um pouco de melancolia e romantismo. A idéia foi reunir músicas que para nós são inesquecíveis, independentemente se foram gravadas e escutadas pela gente pela primeira vez há quase trinta, vinte, dez ou um ano atrás, e de um jeito não muito linear, que é mais ou menos como funciona o nosso emocional. Aproveitamos para expressar isso até na maneira como trabalhamos, como é o caso dos samples que mixamos sobre a “Love Theme”, do Vangelis (aquela do Blade Runner) e gravações de amigos introduzindo o nosso projeto de música eletrônica. São alguns dos momentos “mafuá jeans” que fazemos pra quebrar um pouco a seriedade e rigidez das coisas.

Edu – Dadaismo antigo.

Vocês são ligados em música desde quando? Contem um pouco sobre suas histórias e se há fatos curiosos, até o momento em que viraram DJs e começaram a tocar em clubes/festas.
Edu – Comecei a colecionar discos quando meu avô me deu uma revista que comentava os capítulos semanais das novelas e vinha um compacto com duas músicas. De um lado tinha o tema da novela Dancing Days e uma do Scotch Machine. isso ainda eram os anos 1970. Na época já bateu uma vontade de me montar pra ficar parecida com a Julia Matos, que era a personagem da Sônia Braga na novela. Vinte anos depois, o desejo virou realidade, me montei nos anos 90 de Selma Self Service (meu personagem como DJ-drag) e numa determinada festa em que fui tocar na Zona Leste, especificamente num circo, achei que o povo de lá não gostava de house porque a pista ficou vazia. Só fui saber depois que, por ser num circo, o leão havia fugido da jaula e o povo ídem.

Luis – Comecei a colecionar vinis desde a primeira vez que escutei a “Hall of Mirrors”, do Kraftwerk, num comercial da Star Sax que passava na TV há muuuito tempo. O envolvimento profissional com a música veio nos tempos em que passei a trabalhar na Stiletto Records, com o Thomas Pappon, que hoje em dia mora em Londres e trabalha na BBC. As primeiras discotecagens vieram deste trabalho, quando comecei a receber convites pra participar de programas de rádio e tocar discos em casa noturnas (a primeira vez no Madame Satã, em 1990, quando levei algumas coisas que lançamos na época, talvez o primeiro – e único – set de acid house e indie dance que rolou por lá).

Quais seus projetos, residências, festas e/ou parcerias em andamento?
Luis – Fora o Suntrax, que é o projeto de música eletrônica que criei e que desde o começo conta com a participação do Edu (principalmente na mixagem, pois os ouvidos e sensibilidade dele pra pista são bem melhores que os meus) e o trabalho de produção de trilhas que temos juntos, sou residente nas festas que estão ligadas diretamente ao FiberOnline, que é o site de música eletrônica em que trabalho como editor. As festas são a FiberOnLive, Silver Tape, Hotel House, Machina Festival, Machina Redux e também a Hotzilla, que é também um blog de música alternativa e indie. De uns tempos pra cá tenho discotecado algumas vezes com o Edu, quando fazemos sets no formato back to back. Vira uma verdadeira festa na cabine e tocamos num esquema completamente “no escuro”, sem combinar nada, nem mesmo quem vai tocar a primeira música.

Edu – Não gosto da palavra residência pois soa muito a plantão médico e anos 90. Toco mensalmente no Vegas (Rebel! vs Debut), no Glória na Luxo Pop Show, na Torre (Debut!) e como convidado nas festas Freak Chic, Perversa, Bafón Báfu e Alelux.

Desde quando vocês trabalham juntos fazendo trilhas para desfiles? Como funciona o processo de composição?
Luis e Edu – Completamos agora nove anos fazendo as trilhas juntos. O processo de composição depende muito da carta branca que temos pra pirar e da disposição do estilista. A trilha pode ser uma música inteira estendida, ou em outros casos faixas que editamos à nossa maneira, remixes que fazemos, músicas compostas a partir do zero e até produções que contam com a participação dos estilistas. Pra deixar a coisa mais interativa e com um imprint ainda mais pessoal, convidamos eles pra literalmente “colocarem a mão na massa”, ou melhor, o gogó na música.

No que o trabalho de um completa o outro? Além das trilhas, têm outra ligação com moda?
Luis – Na hora juntamos tudo – background musical, técnica, ouvidos, coração, vontade de experimentar, abstração. Geralmente, eu que sou mais nerd fico no comando do computador, softwares, dos botões, e a voz do Edu de produtor musical fala mais alto. Depois de tentativas, erros e acertos, batemos o martelo juntos.

Edu – Resumindo, o Luis é o macarrão com ovos, e eu sou a Renata… kkkkkkk

Texto: João Pedro Perassolo

comente

  1. avatar

    Alex Palhano disse em 24 de junho de 2009

    Amo o Edu. Adorava a Selma. E o Corelli tem alma de tudo que é chic e divertido ao memso tempo. Incrível como ele continua sendo “elegante”! Um irmãozinho de longas datas. Paris in Burn!
    Com o Depeche ele se encontra e se completam.
    Set perfeito!

  2. avatar

    Rafael disse em 22 de junho de 2009

    Tracklist *_*
    adorei

  3. avatar

    Dani EL Souto disse em 21 de junho de 2009

    Gostaria de ter tido professores como eles na escola, mas tento aprender exaustivamente toda vez que veo …
    Viva a dupla !!!

  4. avatar

    ivi disse em 19 de junho de 2009

    tava ouvindo sem ver a tracklist e fiquei adivinhando… essa primeira música parece coisa da baratos afins, um som 80′s… felinni? mae east?… não! durutti column!!! luuuuuuuuxoooo!!!

  5. avatar

    João Pedro Perassolo disse em 19 de junho de 2009

    o clima shoegaze/etéreo do set me tira o chão. lindo demais.

avatar

db9 Edu Corelli & Luis Depeche
ouça na radio

tracklist

1. The Durutti Column – Sketch For Summer
2. Arthur Russel – Wild Combination
3. Aphex Twin – Xtal
4. Appaloosa – The Day We Fall in Love
5. Bent – Coming Back
6. Black Science Orchestra – Richard Opus n° 9
7. Plantains – I Feel Love
8. Vangelis – Love Theme (Reworked and enhanced by Mafuá Jeans)
9. Toto vs Suntrax – Africa (excerpt from Fabia Bercsek’s soundtrack for the 2007/2008 Summer Collection)
10. Prefab Sprout – When Love Breaks Down
11. Orbital – Belfast (Fabia’s Cloudy Interference)

acompanhe