Electronic Standards apresenta a mixtape “Aesthetic Soul V”

“Omnia Vincit Amor”

Idealização, texto e repertório: Alain Patrick
Mixagens: Davi Rodrigues

Aesthetic Soul V Profile Pic 03

Outro dia, lembrei do famoso verso do poeta romano Virgílio (70 AC – 19 AC) “Omnia vincit Amor; et nos cedamus Amori”, sobre o sentimento mais poderoso da Terra. De forma e fonética tão magníficas quanto o conteúdo, signifca “O Amor vence tudo; cedamos nós também ao Amor.”

Pensei que, por pior que seja o seu status emocional naquele momento da sua vida e por mais piegas que possa parecer o assunto, é um dos versos de significado mais profundo já escritos. Eu sei que muita gente acha que “este tipo de coisa não faz mais sentido hoje”, já que vivemos em um mundo onde triunfaram o individualismo e os objetivos pessoais. “Não há mais espaço para isso“, dizem. Afinal, “falar de amor é coisa do passado“. Mas, apesar de estar ciente que o amor não vence sempre no dia a dia, ele tem o poder de, e ao menos dentro de nós, deveria prevalecer.  » Continue lendo esta matéria

SEN☼IDE S☼B ☼ S☼L

1.sol

Dizem que o amor entre duas pessoas é o tema mais recorrente na música.
No senso comum, a ‘eletrônica’ trata apenas dos embalos noturnos. Mas esses limites se desfazem quando nos aproximamos do vasto repertório existente.

Do sol não ouvimos nenhum som, mas a capacidade humana de representação mostra que há diversas maneiras de expressarmos o astro sem que tenhamos que recorrer à música narrativa ou às canções.

» Continue lendo esta matéria

IAN O’BRIEN – Entendimento é Tudo

Ian O Brien - Entrevista Interview (Electronic Standards) - Personal Pics - 03

Foto: Arquivo Pessoal

A capacidade de se conjugar em um mesmo indivíduo: extraordinário conhecimento e feeling musicais, qualidades técnicas que proporcionem mixagens de áudio excepcionais, e grande sensibilidade (inclusive por causas nobres e humanitárias). Isso tudo, definitivamente, não é para qualquer um. Na realidade contemporânea em que a palavra produtor nunca esteve tão genericamente empregada, ainda pairam exemplos de notabilidade, como o britânico residente no Japão, Ian O’Brien. Autor de ‘Understanding Is Everything, ele está mais musical, inspirado e consciente do que nunca. O seu álbum recém lançado terá renda destinada para compra de materiais escolares na a região de Touhoku, noroeste do Japão, severamente atingida pelo Tsunami de março de 2011 e que precisa desesperadamente de ajuda (se não bastasse a nobre causa, o repertório está, como de costume, incrível). » Continue lendo esta matéria

Sangria Digital Vol.25

VITTORIO CICCARELLI

Arte: VITTORIO CICCARELLI

A Sangria Digital fecha o ano com uma boa porção de lançamentos, privilegiando artistas que trabalham nas extremidades da música, no ponto onde um gênero encontra ou desencontra outro. 

Experimentar e improvisar é preciso, seja jazz psicodélico ou future beats, que 2014 seja repleto de músicas que não consigamos entender, somente sentir, dançar ou estranhar. » Continue lendo esta matéria

Senóide » Para Que Serve A Música?

anish kapoor5

escultura de Anish Kapoor na Tate Modern

 1.

superando os rótulos 
apurando os termos
pensando a música

Ok Computer! Quase toda música produzida hoje passa, em certo momento, por algum processo de digitalização de áudio. Isso acontece, inclusive, com os sons acústicos e analógicos quando chegam à fase de pós-produção e quando a música é gravada num CD ou covertida em mp3. Há tempos, o termo “eletrônica” está defasado e esvaziado como definidor de gênero.

Além do fator técnico, a exploração equivocada do mercado das inúmeras ramificações da “eletrônica”, somada aos ilusivos termos do jornalismo de nicho, fez com que nos cansássemos de classificar os subgêneros, e assim nos distanciamos um pouco da dinâmica do modismo, das tendências e do descarte.

Essa rejeição indica que o ouvinte está menos condicionado, mais intuitivo, atento aos rótulos do mercado e ao que realmente deseja. Por outro lado, se não damos nomes às coisas de que gostamos, dificilmente nos comunicamos.

Estamos num momento em que é essencial discernir a música que usa novas tecnologias para reproduzir mais do mesmo da que busca, de alguma forma, levar-nos além da passividade mental e também a compreender nosso tempo.  » Continue lendo esta matéria